Restaurante Lusitânia desde 1965
Por João Zuccaratto 

Se formos buscar um “marco zero” para o novo turismo que projetou a região de Pedra Azul no Estado e no País, ele é, sem dúvida, o Restaurante Lusitânia, especializado em culinária portuguesa. E escrever sobre este empreendimento é relatar a saga do casal que o criou lá no final dos anos 60 do século recém encerrado: Anna Canal e Delfim Pinho de Oliveira. Para ser mais fiel aos fatos ainda, trazer à luz a luta incansável da dona Anna Canal, mulher com uma fibra inquebrantável, realmente o esteio sobre o qual se assentou o sucesso da casa, fato que se perpetua pelos dias de hoje.

O senhor Delfim Pinho de Oliveira foi um dos imigrantes portugueses que veio dar com os costados na então região de Pedreiras por influência dos patrícios. Antes de mudar para cá, morou quatro anos no Rio de Janeiro, entre o Morro do Querosene, Parada de Lucas e Duque de Caxias. Trocou a cidade grande pelo sítio do Corte Grande, indo morar num casebre.
Não muito tempo depois de se estabelecer, o senhor Delfim já fazia parte de uma sociedade que comprava e vendia propriedades e logo se envolveu com a plantação de pinho e eucaliptos. Mesmo já sendo um empresário, conforme relata seu outro patrício Álvaro Manuel Aroso, o senhor Delfim parecia viver numa situação precária. Não se preocupava com a aparência, usava roupas puídas e até parecia ter esquecido a educação esmerada recebida na Europa, principalmente na questão da alimentação.

Esta situação só se modifica depois de conhecer e casar com a senhora Anna Canal, em 1965. Eles vão morar no Corte Grande, mas numa residência nova, embora pequena: sala, quarto, copa e cozinha. E esta casa é que é o embrião do Restaurante Lusitânia, que funcionou lá de maneira informal durante cinco anos. As primeiras vasilhas foram emprestadas por Madalena e Paulo Vogt. Dona Anna, como era comum entre as descendentes de italianos, dominava as artes culinárias. E não teve muitas dificuldades em aprender os segredos dos pratos portugueses. E logo logo a fama se espalhou.
Mesmo sem o asfalto, recebiam em sua casa pessoas de Vitória e vizinhos portugueses que gostavam de aquecer os pés com o calor do fogão a lenha. Aliás, naquela época, não havia gás e muito menos luz.

Ao mesmo tempo, os clientes começaram a pedir para comprar coisas, principalmente os doces que saboreavam tirando diretamente do tacho onde eram feitos. Todos de frutas colhidas lá mesmo: figo, pêssego, banana etc.

Por volta de 1970, o senhor Júlio Pinho passou a ser sócio e então subiram o morro, erguendo instalações específicas para o restaurante onde hoje ele está situado. Como era a única casa de qualidade no local, aos domingos vivia cheio. E as responsabilidades de dona Anna cresciam sem parar. Como ela diz, “não dava para arredar pé da cozinha”. Só para ilustrar, é ela que faz os bolinhos de bacalhau, carro-chefe da casa, até hoje: “Ensinei para muita gente, mas ninguém consegue fazer igual” — revela, com certo orgulho. O senhor Delfim ficava na saída da cozinha, como um fiscal.

Dona Anna desmente aqueles que achavam seu esposo acomodado depois do sucesso do Restaurante Lusitânia. Apressa-se em classificar Delfim como um esposo excelente: “Concordava com tudo!” Homem simples, responsável, só tinha vaidade pelos 4 mil pés de videira que ornamentam até hoje o acesso a casa. Brigava com qualquer um pelo vinho que produzia. Pessoa metódica, todo dia lia o jornal e via os noticiários da TV. Gostava de política. Além da surdez, conviveu 12 anos com um câncer na bexiga, talvez causado por ser fumante. Partiu em 1989, com 73 anos de vida.

O Restaurante Lusitânia passou por grande reforma e ampliação em 1998, dobrando de tamanho e atingindo a configuração que mantém até hoje. Tem capacidade para atender até 350 pessoas sentadas.

 



Horário de funcionamento do restaurante:

Domingo a quinta-feira: 10h – 16h

Sexta-feira e sábado: 10h – 21h

Mais informações: 27 3248-1331

Serviço à La Carte.

Novidade: Também temos opções de massas!

Trabalhamos com cartão de débito (Visa e MasterCard).

Pousada Lusitânia © Todos os direitos reservadosCriação de Sites: GV8 Sites & Sistemas